Edición Actual Edición 2015 Edición 2014 Edición 2013
OS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICA

OS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICA

Año de producción
2014 
 
Tipo de producción
Ficción  
Género
Drama 
 
Duración
137 m.
País de producción
Brasil, Portugal 
Dirección
Joao Botelho 
Guión
Joao Botelho 
Música
 
Intérpretes
Maria Flor, Graciano Dias, Adriano Luz, Pedro Inês, Joao Perry, Filipe Vargas 
Productoras
Idiomas
Portugués 
Otros títulos
 
País de estreno
Portugal 
Calificación por edades
SIN DETERMINAR 

fotos

OS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICAOS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICAOS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICAOS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICAOS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICAOS MAIAS - CENAS DA VIDA ROMÂNTICA

sinopsis

Entre Afonso da Maia e o seu neto Carlos, constrói-se o último laço forte da velha família Maia. Formado em medicina na Universidade de Coimbra e posteriormente educado numa longa viagem pela Europa, Carlos da Maia regressa a Lisboa no Outono de 1875, para grande alegria do avô. Nos catorze meses seguintes, nasce, cresce e morre a comédia e a tragédia de Carlos como a tragédia e a comédia de Portugal. A vida ociosa do médico aristocrata, invariavelmente acompanhado pelo seu par amigo, o génio da escrita e de obras “inacabadas”, o manipulador João da Ega, leva-o a ter amigos, a ter amantes e ao dolce fare niente, cheio de convicções. Até que se apaixona de verdade por uma mulher tão bela como uma madona e tão cheia de mistérios, como as heroínas da estética naturalista. Um personagem novo num romance esteticamente revolucionário. A vertigem: paixão louca para lá dos negrumes do passado, um novo e mais negro precipício, o incesto. Mesmo sabendo que Maria Eduarda é a irmã a paixão de Carlos não morre e vai ao limite. E depois termina abruptamente porque o velho Afonso da Maia morre para expiar o pecado terrível do seu neto, neto que era a razão da sua existência. E então em vez da morte do herói, nova invenção de Eça. Carlos e Ega partem para uma longa viagem de ócio e de pequenos prazeres. Dez anos depois, voltam a encontrar-se em Lisboa tão diferente e tão igual, a capital de um pais a caminho da bancarrota. “Os Maias”, escrito pelo genial Eça de Queiroz, grande, melodramático, divertido e melancólico, aponta um destino sem remédio, tanto para a família Maia como para Portugal.